Copyright Disclaimer

Do not reproduce any of my texts published here. Plagiarism will be detected by Copyscape.

terça-feira, dezembro 13, 2011

Estímulo Luminoso



Natal 2011

Copyright Soaroir
texto&imagem
14 de Dezembro de 2011

As imagens chegam  às retinas e o nosso cérebro se encarrega de inverte-las.  Daí hoje eu estar a elucubrar que talvez  este seja o motivo do  mundo sempre  nos apresentar de ponta cabeça, crescentemente,  com o passar do tempo, quando as  máculas do passado nos perseguem  tentando diagnosticar  degeneração da nossa boa visão de presente e de futuro.

Diferentemente das abelhas identificamos a cor vermelha, esta que comumente utilizamos para pintar corações cheios de amor ou de rasgos abertos pelos sofrimentos que enxergamos quando  a  nós se apresentam  eternos e malvados. Momentos em que temos nenhum outro foco de futuro.  Mas o tempo passa e mais adiante descobrimos que tudo que nos acontece é para a evolução da nossa visão para que percorramos os caminhos que nunca são estreitos ou sem saída.

 “O conflito está no homem. A menos que seja resolvido ali, não poderá ser resolvido em nenhum outro lugar”. Diz o Mestre Osho;  nenhum  outro homem tem capacidade de nos ferir a ponto de tingir de negro qualquer coração¹, tampouco vir em nosso socorro por mais que por ele gritemos, independentemente das Estações ou feriados cristãos, como no meu Natal passado quando fui destituída de meus direitos de humano, sem dó ou piedade, por aqueles mesmos que pouco antes se refestelavam pousando para álbum de família.

Mas o tempo avoa, e como quando uma abelha voa de flor em flor para coletar o pólen, uma série de adaptações alteram o organismo e ajudam nessa função,  o meu desenvolveu  mecanismos  para iluminar  este novo Natal. Temos muito a aprender com as abelhas...

depois continuo...


Reedificação
Copyright Soaroir
Dezembro 2/2011


Como um João-de-barro
Deste Natal em diante,
Daqui para frente,
Reconstruirei o lar

E aos charros -
Vida longa!

Eu os verei passar...

¹Volenti non fit iniuria"
(Não se faz injúria àquele que consente)

Um comentário: