Copyright Disclaimer

Do not reproduce any of my texts published here. Plagiarism will be detected by Copyscape.

quarta-feira, agosto 15, 2012

Realidades do Brasil

Raramente publicamos poesia de terceiros  neste espaço -


Edir Pina de Barros
http://www.edirpina.recantodasletras.com.br/visualizar.php?idt=3830085
14 de Agosto de 2012 14:21
Nosso Senhor do Bom Jesus de Cuiabá
Edir Pina de Barros

Está tudo tão mudado
nunca vi isso por cá
está triste o Cuiabá
e mais triste o meu cerrado
assim tão seco e queimado,
não tem chuva do caju,
piracema de pacu,
enchente de São José,
e grita triste o pinhé
no galho seco e quebrado.

O rio está definhado
está triste o pescador
na terra do Bom Senhor
porque não tem mais pescado
(só tem peixe congelado,
criado em tanque, e tão caro),
não se vê peraputanga
assada na pedra canga,
o dourado está tão raro.

Não se vê mais o jacá
na Vereda ou Bom Sucesso
(esse é o preço do progresso,
que canto aqui nesta loa)
e não se vê mais canoa,
levando seus pescadores,
antes, do rio, os senhores,
alegres, sempre a cantar,
pescando ao sol e ao luar
saudosos de seus amores.

Tudo agora está cercado,
tem diques no pantanal
que muda o ciclo anual
antes todo regulado,
(garantia do pescado):
no tempo do ipê em flor
a piracema, um esplendor,
poesia da natureza,
prenhe de encanto e beleza,
milagre do Criador.

Já não tem pacu assado
na mesa do camponês,
nem florejam os ipês
no tempo que era esperado:
tudo, tudo está mudado.
Seguem as águas tão ligeiras
beijando os sarãs das beiras
cortando matas, cerrado,
buscando o colo encantado
das planícies pantaneiras.

Nenhum comentário: