Copyright Disclaimer

Do not reproduce any of my texts published here. Plagiarism will be detected by Copyscape.

quinta-feira, novembro 22, 2007

Poesia para uma pedra

© Soaroir 22/11/07 - São Paulo/BR












Foi recostada num sopé que ouvi
Ao longe um insistente batimento
Descompassado e meio aflito
Assuntei contra a direção do vento.

Meu peito vibrava noutra freqüência
Perguntei “quem está aí aposto?”
Com amiudada repetição sai
Na vã busca por um rosto.

Diante do silêncio continuei
Tropecei e abaixei o olhar
“Uma pedra falante!”, exclamei...
E parei para escutar:

“Sou teu coração que nada deseja.
Perdido nas encostas sem saída
Só quero voltar para o teu peito
E de novo ter uma vida”.

Nenhum comentário: