Copyright Disclaimer

Do not reproduce any of my texts published here. Plagiarism will be detected by Copyscape.

segunda-feira, março 17, 2008

Poesia Morta

De: Amargo
Publicação autorizada pelo autor












Quando morre um poema na gaveta,
A caneta em seu luto o choro estanca,
Quase arranca uma flor da tinta preta,
Faz careta ao que é resto pela banca.

E esta folha sepulta os idos versos,
Já dispersos na terra que é pagã.
Faz-se vã quem carpida por perversos,
Tão diversos na inútil mente sã.

O poema intocado morreu casto,
Pois no vasto que existe em teu olhar,
Trás o mar que em meu sonho não arrasto,

Tão nefasto que ao menos vens velar
Quem sem ar sucumbiu-se sem ser lido,
Consumido sem nunca ter nascido.

Nenhum comentário: