Copyright Disclaimer

Do not reproduce any of my texts published here. Plagiarism will be detected by Copyscape.

sábado, janeiro 03, 2009

Três vezes eu te renego

- Poema sobre a Recusa -

© Soaroir de Campos
3/1/09

Aldemir Martins






















Gazeante memória que como pássaros
migra para convenientes pastagens
deixando para trás o campo seco
que um dia fértil os acolheu
e proveu-lhes ninho.
Três vezes eu te renego desmemória
pelo tempo que, se para alguns pouco,
entretanto bastante foi o dormir em concha
roçando as coxas e beijando as costas;
enroscando os pés nas noites frias
e refrescando os dias de tempo quente.
Por esta recusa em enxergar os prós
e por te enlear somente aos contras
guincho como um texugo alvoroçado
recusando-me a esquecer de te lembrar
de que um dia guardaste amor de quem,
talvez, ainda ame em paralelo.


Mote:POEMA SOBRE A RECUSA

"Como é possível perder-te
sem nunca te ter achado
nem na polpa dos meus dedos
se ter formado o afago
sem termos sido a cidade
nem termos rasgado pedras
sem descobrirmos a cor
nem o interior da erva.

Como é possível perder-te
sem nunca te ter achado
minha raiva de ternura
meu ódio de conhecer-te
minha alegria profunda."

In "Vozes e Olhares Femininos"
Maria Tereza Horta -
Edições Afrontamento – Porto – 2001

2 comentários:

Adrieli Joplinn Cotrim disse...

Soaroir, adorei o modo como faz suas poesias: objetiva, profunda, coerente,enfim, a atmosféra poética que você envolve.

Anônimo disse...

Três vezes eu te leio e não te renego; te aprecio!... Quão belos são teus versos, estruturalmente elegantes, numa lírica justaposição de termos que não há "desmemória" que os faça perder o brilho indelével.
Hermílio Pinheiro de Macêdo Filho -04/01/2009